Pesadelo na noite de 08 de Setembro de 2010

por Juliana Damazio

Esta noite .

Uma parte:

MEU PAI, DENTRO DE UM BANHEIRO, IMPEDIA A MINHA ENTRADA E DIZIA EM VOZ BAIXA: NÃO TOQUE EM NADA DESTE BANHEIRO, SAIA DAQUI. ELE ESTÁ CONTAMINADO, HÁ LOMBRIGAS POR TODOS OS LADOS. ELAS SAÍRAM DE MIM, MAS EU NÃO MORRI AINDA.

 ADVERTIA: Os vermes cegam aqueles que os tocam. 

Outra parte:

NO QUINTAL, SENTADA NO CHÃO EM POSIÇÃO DE LÓTUS, ENCONTREI UMA BRUNA. ESSA BRUNA ERA NEGRA E MUITO GORDA, UM BUDA SAÍDO DO INFERNO. ME  ANUNCIOU A SUA NOVA GRAVIDEZ. 

E GARGALHAVA GRITANDO: Eu preciso de mais escravos.

Enquanto:

NA AVENIDA,  TRÊS CARROS, UM DEPOIS DO OUTRO,  ENTRARAM NA CONTRAMÃO.                             

 SE VOCÊ DESEJA MUITO ATRAVESSAR, PARA QUAL LADO DEVE OLHAR PRIMEIRO?

Fui eu quem perguntou.

 O fim:

MINHA MÃE CONVERSAVA COM UMA  AMIGA, DE COSTAS PARA SEU ROSTO. 

EXPLICAVA: É essa a maneira sincera de se travar um diálogo. Nunca olhe nos olhos. 

A AMIGA TOSCA COMPLETAVA : CORRER NA ESTEIRA ENLOUQUECE! CUIDADO! CORRER NA ESTEIRA ENLOUQUECE. HÁ O RISCO DE FICAR PRESO NA ESTRADA, DE NUNCA MAIS SAIR DESSE CAMINHO. 
 
 
Pela manhã:

O menino me explicou os pesadelos: – São as vidas passadas, teus karmas.
 
Tive muitas vidas
vivi muitas vezes
os vermes me devoraram por anos
Depois eles me vomitaram para que eu pudesse nascer mais uma vez
tenho boa memória                                                 
me lembro                                                                                                                                                                                                                       me lembro muito bem
as barbáries                                                                                                                                                                                                                          a decomposição                                                                                                                                                                                                 conheço os demônios que me acompanham
sei o que fiz
sei o que me fizeram.

* Arte de Joel Peter Witkin

Anúncios